Palavra do Presidente – A Oração Incessante da Igreja

“Pedro, pois, estava guardado no cárcere; mas havia oração incessante a Deus por parte da igreja a favor dele” (Atos 12.5).

À estas alturas dos acontecimentos a Igreja de Cristo sofria grande perseguição, que havia começado lá no capítulo 8 (At 8.1-3). Aqui no capítulo 12, por exemplo, observamos que o rei Herodes já tinha matado um dos apóstolos (Tiago – v. 2), e aproveitou a oportunidade para prender Pedro, com o mesmo intento, a fim de agradar os líderes religiosos dos judeus (At 12.3).

Se analisarmos atentamente, aos olhos humanos, Pedro estava preso num cadeia de “segurança máxima”, se é que podemos assim dizer, porque além das 16 sentinelas, ele ainda estava algemado. Portanto, não havia chance alguma de escapar. Apesar disso tudo, Lucas escreveu que a Igreja se reuniu para fazer a única coisa que podia e devia fazer: clamar pelo socorro de Deus.

O lugar onde a igreja se reunia é descrito no verso 12 nos seguintes termos: “casa de Maria, mãe de João, cognominado Marcos, onde muitas pessoas estavam congregadas e oravam”. Como vimos, era uma casa de família, lugar pequeno, que comportava provavelmente cerca de 40 pessoas. Assim, não foi o número de pessoas, mas o empenho no clamor, o fervor dos irmãos que tocou o coração de Deus, que respondeu rapidamente enviando um anjo (At 12.7).

Lucas escreveu que o anjo de Deus fez a obra de soltura de Pedro sem que ninguém percebesse, é assim mesmo que Deus trabalha, nem Pedro viu nada, só quando o anjo o despertou. À semelhança do apóstolo Pedro, Deus não quer nos ver algemados, sejam as “algemas” que for (ex: doenças, opressões, perseguições etc.). É maravilhoso notarmos o cuidado de Deus com cada um de nós, pois o anjo de Deus lembrou Pedro de pegar sua capa, era de madrugada e deveria estar frio.

Outro fato que nos faz pensar, tem relação com o comportamento de Pedro, que estava sob pressão naquela prisão e ele sabia que se não houvesse uma ação divina, seria executado, como foi Tiago. No entanto, o anjo precisou despertá-lo, porque ele dormia profundamente. Este estado de espírito ocorre somente com quem mantem uma vida limpa, cuja consciência está em paz, porque vive em plena comunhão com Deus.

De fato, nem correntes, algemas, ferrolhos ou cadeias de segurança máxima, conseguem resistir à presença de Deus. A Bíblia diz: “Agindo Eu (Deus), quem impedirá?” (Is 43.13), então quando Deus age os seus servos são libertos e salvos (At 12.7-9). Lucas escreveu que Pedro, depois de liberto, não foi para sua casa, para estar com sua família, mas seguiu direto para o lugar onde a Igreja estava reunida em oração. Sua chegada ali produziu muita alegria no coração dos irmãos, que glorificaram a Deus por sua graça e poder.

Portanto, meus amados irmãos obreiros, pastores e líderes da obra de Deus, vale a pena cultivarmos este estilo de vida limpa com Deus, que nos leva a dormir, mesmo sob ameaça de morte, mesmo estando num momento difícil, num deserto, porque a presença de Deus conosco realmente faz toda a diferença.

Que Deus vos abençoe e guarde a todos;

Pr. Luiz Fernandes Bergamin;

Presidente do Conselho Nacional OBPC